sexta-feira, 29 de agosto de 2008

A PROFUNDA SIMPLICIDADE DA FÉ


A profunda simplicidade da Fé


Existem coisas que parecem tão óbvias e previsíveis que se torna quase impossível acreditar na sua eficácia. Você já deve ter recorrido àquelas receitinhas da vovó, que não tinham absolutamente nada de científico, mas funcionavam como os mais testados e aprovados medicamentos. Alguém disse que a sabedoria popular é preciosa. No entanto, quanto mais complexas se tornam as questões discutidas maior o ceticismo em torno das soluções simples.
Pensando sobre essa questão nos vemos envolvidos com a discussão sobre a fé. As Escrituras a definem como um elemento imprescindível para agradarmos ao Senhor e também como a certeza de coisas que não se vêem mas que se esperam. E assim, relacionar questões eternas a um elemento que parece tão subjetivo tem se tornado um dos maiores obstáculos ao homem contemporâneo.
Diante disso devemos considerar três coisas:
Primeiramente devemos lembrar que a fé um elemento espiritual de origem divina. Nas Escrituras aprendemos que a fé é uma dádiva de Deus (At. 13:48, Ef. 2:8, Rm. 1:8), quando a exercemos o fazemos em razão da graça do Senhor derramada sobre nossas vidas. Por isso, os esforços intelectuais são inúteis e incapazes de perscrutar mistérios divinos.
Segundo, devemos lembrar que a fé extrapola, em virtude da sua natureza, os limites da razão. Com isso não estamos sugerindo que a fé seja irracional, mas ela é supra-racional, ou seja, suas percepções podem ir além do que a razão pode conceber, e tudo isso como fruto da vontade de um Deus que quer se revelar.
Terceiro, devemos lembrar que é a simplicidade da fé que atesta a nossa profunda confiança em Deus. Se pudéssemos racionalizar todas as circunstâncias, o mérito de crer seria totalmente nosso. Deus nos tem chamado a crer mesmo quando não há evidências.
Ter fé não significa desenvolver uma habilidade natural, mas ser alvo da graça do Senhor que nos permite vislumbrar realidades espirituais que só fazem sentido na nova vida.
Se você tem crido no Senhor, Amém! Se ainda tem dúvidas, ore, pois só o Senhor pode nos esclarecer, pela fé, acerca das riquezas imensuráveis da eternidade.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

E NÃO VOS CONFORMEIS




E não vos conformeis com este século


As mudanças do mundo são cada vez mais rápidas, e o pensamento de uma época sofre transformações profundas. No entanto, um dos grandes problemas dos nossos dias é que muitos desses pensamentos, por causa da sua fundamentação rebelde e iníqua, acabam influenciando cristãos incautos e levando-os para longe da vontade de Deus.
Quando o apóstolo Paulo escreve sua carta aos romanos, uma das suas grandes preocupações é mostrar aos seus leitores a necessidade de considerarem as transformações do seu tempo e evitaram as suas influências. O apóstolo sabia que o “esquema” do mundo tem como propósito desviar os crentes do cerne da vontade do Senhor.
Basicamente, a estratégia do “esquema” de pensamento do mundo contemporâneo quer nos levar a três erros graves, os quais passo a descrever a seguir:
a) O primeiro erro é o da “indiferença”: Muitos já não se preocupam em ser uma voz profética e contrária ao que está aí. Simplesmente vêem o erro diante deles e, em muitos casos, fingem que nada está acontecendo;
b) O segundo básico, a que este mundo quer nos conduzir, é o da aceitação tácita, ou sem grandes questionamentos, dos princípios de um mundo rebelde. Hoje, muitos crentes admitem determinados comportamentos que, sem perceber, acabam afrontando preceitos claros das Escrituras Sagradas, como, por exemplo, a desobediência quanto à guarda do dia do Senhor. Para muitos já não parece tão necessário guardar o dia do Senhor;
c) O terceiro erro, que se constitui num grave desastre para a vida do crente, é o da absorção dos princípios deste mundo. Primeiro, nos tornamos indiferentes, depois os aceitamos sem grandes questionamentos e por último, se não formos cautelosos, nos tornaremos defensores dos padrões deste mundo.
Assim, diante de tantos perigos, lemos a exortação do apóstolo que diz: “Não vos conformeis com este século”. Irmão, tem se tornado cada vez mais urgente a necessidade de conhecermos melhor os valores das Escrituras e os usarmos como um contraponto ao que está ai. Precisamos confrontar o mundo com os valores de Deus.
Você tem tido essa preocupação? Pense seriamente nisso!

ps - Esta reflexão é fruto de um módulo sobre cosmovisão reformada, que realizei no CPAJ em SP.


Para um pouco mais de detalhes sobre cosmovisão - clique aqui.

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

DEIXADOS PARA TRÁS


Deixados para Trás

Talvez você já tenha assistido aos filmes da série Deixados para Trás (Left Behind), que numa obra de ficção tenta retratar a mensagem de apocalipse. Infelizmente, apesar de todo o impacto visual e emocional o filme não apresenta, com fidelidade, o ensino de João. No filme, em um vôo internacional rumo a Londres, o jornalista Buck Williams (Kiek Cameron) e o piloto Rayford Steele (Brad Johnson) se vêem no meio do mais incrível acontecimento da história. De repente, sem qualquer tipo de alerta, dúzias de passageiros simplesmente desaparecem no ar. Mas isso não é tudo. Logo fica claro que milhões de pessoas desapareceram ao redor do mundo. O problema da história é que nas Escrituras o arrebatamento não se dará de forma secreta, mas com grande clangor de trombeta (Mt. 24:31).

Mas deixando a discussão teológica, pelo menos por enquanto, você já imaginou se de repente perdesse todas as pessoas que o cercam? Já pensou se de repente suas amizades fossem desaparecendo? E o pior, já pensou se tudo isso acontecesse com as pessoas bem ali, ao alcance dos olhos mas completamente distantes do coração?

As Escrituras sempre nos ensinaram que a comunhão é vital para o nosso bem estar. Davi chega a declarar que onde os irmãos vivem unidos ali Deus ordena a sua bênçao e a vida para sempre. No registro da história da Igreja primitiva, conforme o livro de Atos, percebemos que a comunhão do povo de Deus trouxe a benção do Senhor sobre a vida do povo, de tal maneira que cadeias foram quebradas e vidas transformadas.

Pense hoje nas pessoas que Deus tem colocado na sua vida como instrumentos abençoadores! Pense nos irmãos que fazem parte da sua vida e na força que Deus pode suscitar na comunhão da igreja. Pense no que você pode fazer para que os laços fraternos que cercam o povo de Deus sejam cada vez mais estreitos. Pense! Pense! Pense na igreja e pense em você! Depois faça, faça algo pela igreja e faça algo por você! Faça isso e não fique para trás!

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

MEU QUERIDO PAI!




Meu querido pai

O dia dos pais é realmente um momento especial. Quem não se sente tocado com o entusiasmo das crianças e o seu sorriso contagiante que celebra o simples motivo de olhar pra alguém lhe chamando de pai? É maravilhoso! Ah, essa semana ganhei uma gravatinha de papel e um coração “vermelhão” escrito: “ I Love You”. Por alguns instantes pensei nas gravatinhas, nos desenhos e nas poesias que eu mesmo decorei só para dizer para o meu pai como é bom saber que ele está ali.
Depois de pensar sobre isso lembrei-me então do “Pai nosso que está no céu”. Foi bem cedo também que aprendi a chamar por ele, com certa dificuldade, dizendo: “Papai do céu”. E desde que ele me ouviu a primeira vez, respondendo “filho meu”, sempre tenho sentido a sua presença. Não me lembro de ter feito nenhum versinho pra Ele, mas em muitas orações eu pude dizer como Ele é importante pra mim. Hoje, achei que era o dia de escrever algo especial pra Ele:

Pai, quantas vezes eu gritei por ti no silêncio de minh’alma!
Quantas vezes chamei Teu nome apenas com o som das batidas do meu coração,
Quantas vezes!
Hoje eu lembrei que em todas elas o Senhor sempre me percebeu.
Mesmo no silêncio, na insegurança, nos desertos e nas tempestades,
Pai, o Senhor sempre estava lá.
Quando o pecado me arrastava para as profundezas do inferno era a tua graça que me valia,
Quando meus passos se tornavam fracos e o meu caminho incerto era a tua mão que me valia,
Quando o sorriso me faltava e a esperança me escapava era o teu consolo que me valia,
Pai, meu Pai, ajuda-me pois, a jamais esquecer, que Tu és o motivo de toda a minha alegria.
Com carinho,

Seu filho,

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

MEMÓRIAS

Memórias
A propósito dos 60 anos da Igreja Presbiteriana de Patrocínio


Era uma vez...
Você já deve ter se sentido paralisado por histórias de “faz-de-conta”. Viajar pelo universo da imaginação é algo fantástico. Imaginamos mundos, heróis, conquistas e uma série de outras coisas que nos deixam perplexos, principalmente na infância. Quem nunca sonhou em ser um grande super-herói? Talvez você tenha sonhado em ser um “patrulheiro rodoviário” ou, mais recentemente, um herói japonês.
Como as histórias nos prendem!
No entanto, os preparativos de uma grande festa, como a que realizamos hoje, nos fazem sentir que quando a história é verdadeira e que dela nós fazemos parte, a emoção é bem maior.
Ler sobre o esforço dos primeiros missionários que enfrentavam quilômetros no lombo de um cavalo, sobre as doenças que tentavam inutilmente calar sua voz, sobre as perseguições que os encorajavam e sobre os homens que se rendiam aos pés de Cristo é imensuravelmente melhor que qualquer “faz-de-conta”. Além disso, ver nas páginas de nossa história sobrenomes conhecidos, rostos familiares e esperanças parecidas nos inspira tremendamente.
Aqueles homens e mulheres de fala engraçada, tropeçando no português e tentando se parecer com a gente nos ensinaram o que de fato significa amar a Cristo. Seu exemplo fez de nossos avós e depois de nossos pais homens e mulheres de Deus que deixaram marcas indeléveis na nossa alma.
Vimos também o poder de Cristo levantar do nosso meio grandes homens. Homens que marcaram o Brasil e que jamais serão esquecidos em nossas conversas as voltas com o cafezinho e o pão de queijo. Também homens sem muita projeção, mas que com um gesto simples, uma presença constante e uma vontade contagiante continuam nos estimulando à perseverança.
E o melhor de todas estas histórias é que a gente não precisa fazer de conta, por que tudo aconteceu de verdade, aqui, bem pertinho da gente.
Então, que Deus continue trabalhando em nossa história hoje, para que amanhã nossos filhos sejam tão inspirados por nossos exemplos como somos pelo que vimos de nossos antepassados.
Queira o Senhor, preservar até a volta de Cristo, a Igreja Presbiteriana de Patrocínio.