quinta-feira, 5 de agosto de 2010

No Ponto!!!!



Essa pode ser a diferença entre o sucesso de um delicioso prato preparado pela vovó e o fiasco preparado pelo melhor “chef” – o ponto. Acertá-lo é privilégio de poucos, mas algumas pessoas são mestres nisso e como é bom provar do que elas fazem.
A mulher da minha vida não é uma apaixonada pela cozinha e suas delícias. Ela prepara com carinho tudo o que a gente come em casa, mas nada a deixa mais feliz do que um convite para almoçar fora. Mas uma coisa é verdadeira, ela sabe como me tratar, no ponto certo.
Acredito que tive uma convicção ministerial muito cedo em minha vida. Não me lembro de na infância querer fazer outra coisa que não ser pastor. Sempre quis pregar, ensinar e seguir os caminhos do ministério da Palavra. Tudo o que fiz foi direcionado para este propósito e sempre tive a confirmação do Senhor, em meu coração, de que era isso mesmo que deveria fazer. Uma vez pastor, comecei a desenvolver o meu ministério e, como acontece com quase todo mundo (creio eu) tive e tenho também minhas dificuldades e minhas limitações. De certo modo, posso dizer que muito das minhas dificuldades são na verdade faltas que eu preciso corrigir. E de onde vem o maior estímulo, a melhor análise e a maior cobrança para que eu seja um bom pastor? Dela, da mulher da minha vida! E ela faz isso no ponto! Dói, mas muitas vezes ela fala exatamente o que eu preciso ouvir.
Por outro lado, na minha vida mais “comum” (rsrsrsrs – é que tem gente que pensa que pastor é sobrenatural), sempre tive as coisas muito bem definidas e de certa forma, no controle das minhas mãos (ou até da minha mãe – o que é quase a mesma coisa – rsrsrsrs), mas um estresse, um resfriado mais sério ou qualquer outra coisa que eu não consiga resolver rápido, me derruba. E ai, vem ela de novo, no ponto! Carinhosa, atenciosa e incentivadora. Ela dá colo e manda levantar em seguida. Ela diz, coitadinho, faz carinho em mim, mas diz que eu não posso ficar assim. Sempre ela, no ponto!!!!!!
Hoje eu sei que sem ela (e isso não é clichê – pode até parecer - rsrsrrs) eu não vivo!!!!!! Te amo, Marly

PS – E agora ainda tem o baixinho do Matheus....... quando ele chega dizendo: “Deus me deu uma palavra” ....... pode esperar que lá vem chumbo. Rsrsrsrrsrsrsrrs – Minha família, minha vida!!!!!!!